Sapatão - Uma Racha/dura no Sistema

Mostra de Tiradentes: Sapatão – Uma Racha/dura no Sistema

3.5

Há um tom de desabafo neste curta-metragem, Sapatão – Uma Racha/dura no Sistema. Através de uma sensação de universo distópico, mas bem próximo da realidade, existe a utilização do local urbano para estabelecer uma atmosfera que questiona arbitrariedades do sistema e como promover a quebra dele, como sugere o seu título. Com imagens que imprimem elementos do cinema experimental, o espectador se depara com o debate sobre as aproximações e distanciamentos da protagonista com a sociedade.

Em doze minutos, todo o discurso presente na obra parece explodir e contaminar a tela. São muitas sensações evocadas aqui: corpos dissidentes que tencionam uma população normativa, o possível acúmulo de capital perdido pela exploração constante do trabalhador brasileiro, as negações de condições necessárias para a existência de uma parte da população, seja pelo dinheiro ou pelo próprio preconceito. Para trazer tudo isso, a estratégia é emular uma última postagem em uma rede social, o que pode aproximar o público com a história.

Existe o ar de experimento, com a personagem principal utilizando seu corpo a disposição para questionar os espaços da cidade e a sua presença nele; mesclado ao tom costumeiro visto em plataformas como Instagram e Facebook. Nesta investigação de linguagens, o curta peca um pouco por querer dizer tanto através de escolhas repetitivas. Há, de fato, muito para ser falado, diante do mundo no qual vivemos, porém resta uma sensação de falta de plano, criatividade narrativa ou diversidade sonora. A dinâmica se torna ralentada quando os recursos ficam reconhecidos e esperados.

Outro aspecto que enfraquece Sapatão – Uma Racha/dura no Sistema é certa ingenuidade que não permite uma amarração do conteúdo geral, deixando algumas pontas soltas sobre a construção da personagem e sobre seu desenvolvimento. O desfecho do filme também carece de força, deixando de lado a intensidade do debate promovido durante a projeção e colocando em sua finalização uma despedida que poderia ser mais um convite para uma resistência.

Evidentemente que a escolhas de uma realizadora possuem critérios e posicionamentos. Talvez, o lugar da crítica seja o de analisar o que existe em uma produção e não o que ela poderia ser. No entanto, aqui, como uma mulher lésbica (cis branca), acredito que posso também falar de uma espectatorialidade mais específica e que cria expectativas próprias quando mulheres queer estão sendo retratadas. Partindo deste ponto, a ausência de uma perspectiva de mudança deixa certo nó na garganta. Quem sabe isto não seja algo positivo?

Direção: Dévora Mc

Elenco: Letícia Ângelo

Confira nossas crítica de festivais aqui!

Pin It on Pinterest