Crítica: Nasce Uma Estrela

estreias do cinema

Nasce Uma Estrela não é apenas um filme. É uma reunião de sentimentos que serão despertados nos espectadores, cena após cena. Com uma história atraente e uma trilha sonora impecável, intensidade de emoções define o tom deste produto. Então foi com muita empolgação que esta jornalista que vos escreve foi à cabine de imprensa. E fico imensamente feliz que nenhuma expectativa foi frustrada. Muito pelo contrário, saí de lá ainda mais empolgada.

Jack é um cantor famoso que vive no limite, consumindo álcool e drogas e levando uma vida desregrada. Uma noite bebendo em um bar, após um show, ele conhece Ally, uma moça autêntica e excelente cantora que mostra sua voz junto a transformistas. Encantado, ele a convida para sair e, a partir daí, a história de ambos vai se cruzando.

Em sua estreia como diretor, Bradley Cooper não poupou esforços e esmero na condução do roteiro, que também é de sua autoria. Trabalhar um remake tem as benesses de um material mais redondo e que foi pré-aprovado pelo público. No entanto, a possibilidade de cair na mesmice e não oferecer algo novo para o espectador. Cooper reinventa a história e oferece um filme de alta qualidade e lapidado. Faz uso de artifício dos filmes anteriores, mas traz algo além.

A história de Jack e Ally é traçada com cuidado, desde o primeiro olhar. Em poucas cenas o espectador já se vê envolvido no amor do casal protagonista e vivendo a intensidade da relação. Isso é decisivo para o sucesso da narrativa, pois é efetivamente a alma do roteiro. Combinado com canções belíssimas e muito bem interpretadas, o roteiro tem muita fluidez e assertividade.

crítica nasce uma estrela

Nada disso seria possível, no entanto, sem a incrível interpretação de Lady Gaga e o próprio Bradley. Ela dá um verdadeiro show (com o perdão do trocadilho) aos olhos do espectador. Não apenas traz composições impecáveis para as músicas interpretadas, como envolve em cada cena. É um presente, de fato, para quem assiste e se deslumbra. O mesmo vale para Bradley. Ele está inteiro e empenhado no papel, que afirmo ser o melhor de sua carreira. Não apenas nos encanta, como dá espaço e apoio ao sucesso de Gaga. Se esse espetáculo de atuação existe, é pela química da dupla e não por trabalhos individuais.

O restante do elenco não deixa por menos. Todos ocupam seus espaços de maneira coerente e dando suporte aos protagonistas. Destaque para os transformista que são um espetáculo em cada cena. Temos ainda Sam Elliot no núcleo familiar de Jack e Anthony Ramos como o amigo de Ally. Ambos dão ainda mais personalidade ao longa.

Desde que foi exibido pela primeira vez nos festivais europeus, já se cogita indicações ao Oscar, especialmente para Lady Gaga. Quem assiste ao filme, percebe que não há exagero algum nisso. O filme é do Oscar, definitivamente. Não apenas de Melhor Atriz, mas também de Melhor Diretor, Melhor Trilha Sonora e Melhor Diretor.

Nasce Uma Estrela ecoa em nós por muito tempo. Não apenas as lindas músicas ficam na cabeça, como a história envolvente. É daquele tipo de filme que fazemos questão de rever sempre. E não se surpreenda caso se emocione todas as vezes. Definitivamente, não é um filme qualquer.

Assista ao trailer!

 

Marcela Gelinski467 Posts

Jornalista, cinéfila, amante de vampiros, apaixonada por pipoca, fã de livros, viciada em Friends e crente em conto de fadas.

0 Comentários

Deixe um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register