A sétima arte transborda uma essência do real e imaginário. Os desejos, medos, verdades, fatos e fascínios humanos são expressos nas obras cinematográficos desde o seu início. O “mal”, por exemplo, sempre foi um fator de encantamento presente no cinema. Em O Grande Roubo do Trem (1903), o diretor estadunidense Edwin S. Porter traz na sequência final uma cena que marcou a história das películas. Porter espantou o público ao colocar o vilão da história para atirar contra a câmera, estabelecendo o primeiro contato direto entre o espectador e o mal. Desde então, a “semente do mal” estava plantada no imaginário das pessoas e preparada para crescer e desabrochar num futuro não tão distante.

O cinema transformou-se ao longo do tempo e, atrelado a ele, a maneira como o mal era representado também mudou. Esse foi de bandidos do faroeste à arqui-inimigos de heróis, cientistas insanos, monstros folclóricos até chegar numa nova era. O mal passou a ser representado de maneira sedutora e identificativa. O marco dessa mudança é a grande obra de Alfred Hitchcock, Psicose (1960), que, por ser maneirista, trazia um mocinho impotente, dando espaço para que o vilão ganhasse todos os holofotes. A partir da aparição de Norman Bates, o público começou a se apegar, tentar compreender e até mesmo amar os representantes maléficos nas películas.

Na década de 1970, com consolidação dos slasher, a indústria do medo ganhou força total para focar nessa apreciação do mal. O sucesso das produções levou os estúdios a investirem em novas possibilidades para o universo criando a cultura das franquias. Os monstros e assassinos de qualquer subgênero de terror passaram a ter um tempo de tela maior e, consequentemente, foi oficializado o amor do espectador pelos vilões. Michael Myers, Freddy Krueger, Ghostface e Hannibal Lecter são alguns dos maiores exemplos de “malvados favoritos” do público.

Com direito a onze longas sobre Myers, doze sobre Jason e nove do Krueger – sendo que um dos filmes é um crossover entre A Hora do Pesadelo e Sexta-Feira 13 – o gênero viu suas bilheterias caírem gradativamente. A expansão dessas histórias se mostrou frágil, confusa e, na maior parte dos casos, mal elaborada. A produção de filmes com as personagens queridas deixou de ser o suficiente para manter os fãs do gênero satisfeitos. Dessa forma, as franquias, as quais pareciam ser a melhor coisa que já aconteceu com o gênero, tornaram-se seu maior mal.

Somente depois da estreia do primeiro filme da franquia Pânico, dirigida por Wes Craven, o universo do horror conseguiu retomar o seu lugar de destaque. O terror voltou a ter força e passou a produzir cada vez mais filmes com uma atenção voltada para suas novas possibilidades de subgêneros. Os horizontes foram verdadeiramente expandidos e novos nomes como James Wan contribuíram para fortificar essa nova fase. Fazer franquias, contudo, nunca deixou de ser uma realidade da indústria. O sucesso de bilheteria de um projeto diferente imediatamente acarreta na possibilidade da produção de continuações.

Desde a retomada do terror, o gênero tem vivido sucessos e falhas com a escolha de continuar a contar uma mesma história. As franquias Premonição, O Chamado, Jogos Mortais, O Grito, Atividade Paranormal, Cloverfield, Sobrenatural são exemplos de produções que começaram e continuaram por conta da sua inovação e criatividade, mas que, com o tempo, perderam a qualidade. A essência das produções é fortemente atacada com a extensão de sua narrativa. As possibilidades são levadas ao limite, a ponto de, em casos como Premonição 4 (2009), alcançarem o ridículo.

Existem outros casos, contudo, que parecem ter achado a fórmula para o sucesso. Invocação do Mal (2013) começou a sua caminhada na indústria como um filme solo que permitia diversas possibilidades de criação – sejam elas sequências ou spin-offs. O sucesso estrondoso do longa-metragem permitiu que a Warner Bros. investisse amplamente na expansão do universo do filme criando uma espécie de franquia ramificada de The Conjuring (título original), o qual funciona basicamente como o Universo Compartilhado Marvel. Hoje, o Conjuring Universe pode ser lido com uma composição de duas franquias estabelecidas (Invocação do Mal e Annabelle), uma em processo de consolidação e expansão (A Freira) e dois spin-offs que podem render continuações (A Maldição da Chorona e The Crooked Man, o qual ainda não tema data de estreia).

Apesar de representarem um universo em comum, a caminhada dos filmes foi diferente. The Conjuring tem uma trajetória linear e vitoriosa quando se pensa no sucesso de bilheteria e crítica. Por outro lado, a franquia Annabelle começou seu percurso com um longa cuja arrecadação foi boa, mas sem o mesmo resultado na recepção da crítica. O primeiro filme da franquia é tecnicamente previsível e infantil em suas escolhas narrativas. A construção da atmosfera carrega um certo desleixo quando comparada com Invocação do Mal. A sua sequência conseguiu, para alegria dos fãs, consertar os erros do antecessor e desenvolver o medo que envolve a personagem da boneca.

Quanto aos spin-offs, tanto A Freira (2018) como A Maldição da Chorona (2019) seguem um caminha semelhante ao do primeiro Annabelle. O roteiro é fraco e tem suas falhas, os momentos de maior tensão são quebrados por jump scare previsíveis e a entidade central da trama não tem sua história pregressa bem trabalhada. Esses últimos resultados abaixo da média deixam os fãs do Conjuring Universe preocupados com a próxima estreia.

O final do mês de junho será presenteado com o lançamento mundial do terceiro capítulo da história da boneca Annabelle. Na próxima quinta-feira (26), os fãs de terror poderão enfim assistir o confronto entre os Warren e todo o mal que há em sua casa. A possibilidade de pôr as maiores figuras do universo de Invocação do Mal juntas é a própria Guerra Infinita do terror. Annabelle 3: De Volta para Casa, dirigido e co-roteirizado por Gary Dauberman, divide a opinião do público. Existe uma parcela de fãs que está eufórica com a possibilidade da interação entre os artefatos sobrenaturais e os demonologistas, contudo, existem aqueles que temem pela qualidade do filme. O histórico recente do universo e de franquias de terror não garante a qualidade esperada pelo espectador. Apesar de Wan e a Warner prometerem uma experiência de terror inesquecível, as dúvidas só serão anuladas com a estreia da produção.

Pin It on Pinterest