Não é de hoje que Hollywood faz leituras do conto do Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda. Recentemente, o diretor Guy Ritchie fez o fracasso retumbante Rei Arthur com Charlie Hunnam e Jude Law no elenco, um esforço de fazer uma visão moderninha da história. Para retornar a um conto tão conhecido é preciso ter, no mínimo, uma certa inventividade na forma, de maneira que eventos e personagens de conhecimento popular garantam no público o prazer de uma revisita. Para isso, nem precisa repaginar por completo a história. O Menino Que Queria Ser Rei, no entanto, consegue construir uma versão com traços de contemporaneidade para o clássico que não soam oportunistas e resgata elementos familiares de maneira muito simpática.

Saído da cabeça do próprio diretor Joe Cornish, da comédia Ataque ao Prédio de 2011, O Menino Que Queria Ser Rei nos traz a história de Alex, um menino que mora em Londres com sua mãe e descobre por acaso a Excalibur, quebrando o encanto da sua permanência numa rocha. Logo, ele fica sabendo através do mago Merlin que é o sucessor do Rei Arthur e deve impedir os efeitos nefastos do retorno premente da feiticeira Morgana na Terra. Para isso, Alex deve buscar um grupo de jovens que lhe seja fiel, assim como Lancelot e os demais cavaleiros de Arthur.

O Menino Que Queria Ser Rei

Sustentado em caminhos e personagens conhecidos na cultura popular, Joe Cornish transforma O Menino Que Queria Ser Rei numa agradável sessão vespertina com ares juvenis que se sustentam num consciente senso de aventura e que não perde de vista o estabelecimento de elos da história com o público através de uma construção concisa de personagens e suas relações. Rapidamente nos afeiçoamos ao protagonista Alex e seus dramas na escola ou em casa, ao ir em busca do seu pai desaparecido.

Distante do apelo das grandes franquias recentes no cinema, que se baseiam em best-sellers do momento ou personagens de HQs, O Menino Que Queria Ser Rei acaba trazendo para o público um tipo de aventura medieval que vemos pouco nos cinemas, resgatando na memória afetiva algumas iniciativas de Hollywood nos anos de 1980. Ao mesmo tempo é um tipo de nostalgia que não deixa de estar em voga e ter exemplares lucrativos recentes, seja na TV ou streaming como Stranger Things, seja no cinema com It: A Coisa. No entanto, é interessante notar como essa aventura despretensiosa consegue se sustentar com as próprias pernas sem um artificialismo que predominou em adaptações infanto-juvenis como Percy Jackson ou As Crônicas de Nárnia. No fim das contas, rende uma sessão das mais agradáveis, ainda que exceda um pouquinho na sua duração.

Assista ao trailer!

AVALIAÇÃO
3.5Deixe a sua também!
Votação do leitor 0 Votos

Pin It on Pinterest