Não é de hoje que fanfics se tornam filmes e franquias de sucesso. Para quem não está por dentro do termo, fanfic é uma história criada por fãs de outros produtos midiáticos, como livros e filmes, publicadas em blogs ou sites. Aconteceu com Cinquenta Tons de Cinza, por exemplo, que é uma fanfic de Crepúsculo. After é uma espécie de fanfic de Cinquenta Tons de Cinza, com inspiração em Harry Styles, cantor da banda One Direction. Sim, é bem confuso.

Tudo começou quando a jovem americana Anna Todd deu início a uma história da plataforma Wattpad. Para quem não conhece, trata-se de um espaço para publicação de escritos, contos, poemas, histórias, seja de autores famosos e com experiência, seja de adolescentes que estão começando a escrever e querem colocar no “papel” as ideias da cabeça. Todd atraiu a atenção das pessoas com sua história e teve mais de 1,6 bilhão de leituras online, se tornando o livro mais lido de toda a plataforma Wattpad. Naturalmente, a adaptação cinematográfica já estava apontando na esquina.

Mas vamos ao enredo. After conta a história de Tessa Young (Josephine Langford), uma jovem que acaba de entrar na faculdade e está prestes a enfrentar grandes mudanças na vida. Ela conhece o misterioso Hardin Scott (Hero Fiennes Tiffin), a quem, inicialmente, tece um pouco de raiva pela presunção do garoto. Aluna dedicada, filha obediente, namorada fiel e com grandes ambições para o futuro, Tessa vê o mundo virar de cabeça para baixo com as mudanças repentinas que acontecem e as novas descobertas, principalmente a sexual.

Não precisa especificar muito para ver o nível de semelhança da história com Cinquenta Tons de Cinza e Crepúsculo. Uma jovem pura e virgem que é resgatada pelo belíssimo, rico e estranho rapaz que se apaixona justamente por ela, a menina desengonçada. Estamos cansados desse padrão de história e o mercado já deveria ter se dado conta disso. Mas ainda com boa vontade, assisti ao filme com a esperança de coisas novas e um conteúdo mais aprofundado.

O longa traz elementos visuais que incomodam bastante. Como uma das cenas em que a mocinha tira a roupa pela primeira vez para mergulhar no rio. Ela está vestida de “noiva”, toda trabalhada no vestido branco, ar angelical e puro. Em contrapartida ao seu jeito meigo, o protagonista masculino está sempre com cores escuras para representar o lado dark da trama. Que nem existe, vamos ser sinceros.

Outro elemento de distorção visual é o grupo de amigos que ela conhece na faculdade. São todos completamente estereotipados para mostrar como eles funcionam como a tentação do mal da garota. O grupo inteiro é cheio de tatuagens, piercings, fumam maconha, filam aula, bebem em festas mesmo sem ter idade para isso, pintam os cabelos de cores chamativas. Tudo isso para mostrar o contraste de personalidade com a protagonista, mas de uma maneira bem preconceituosa.

estreias do cinema

Quando vamos analisar a trama em si, mais um fiasco. Ela não se propõe a absolutamente nada. A menina toma decisões completamente aleatórias sem a menor justificativa plausível. Uma mudança de comportamento abrupta que não convence o espectador. Além disso, não sabemos tanto assim sobre a protagonista, qual seu passado e suas ambições. O mesmo vale para o rapaz, que eles até tentam criar um mistério de amargura, mas falham miseravelmente.

Então o espectador acredita que o foco será a perda da virgindade e chega a se animar com isso. Ledo engano. Embora exista até uma tensão bem construída em torno disso, o tema não é discutido, não é exposto e nem problematizado. É apenas algo que acontece lá e ninguém dá muita importância. Pensamos ainda que a questão do contato físico (curiosamente nunca experienciado pela personagem, mesmo ela tendo anos de namoro com o primeiro namorado) fosse levar a algum desenvolvimento maior. Mas também ignoram.

O casal principal tem boa química, temos que ser honestos. Josephine Langford (7 Desejos), que é irmã de Katherine Langford, a menina da série 13 Reasons Why, está bem no comecinho da carreira e tem potencial. Acredito que o roteiro é que não ajudou muito na sua desenvoltura. O mesmo vale para Hero Fiennes Tiffin (Harry Potter e o Enigma do Príncipe), que interpretou Tom Riddle na franquia de sucesso e é sobrinho de Ralph Fiennes, o próprio Voldemort.

No papel da mãe, temos a querida Selma Blair que caiu de paraquedas no filme e interpreta um dos piores papéis de sua carreira. Uma mãe protetiva e controladora que beira à loucura em alguns momentos, mas some da vida da filha na maior parte do tempo. Uma personagem sem muita consistência. No grupo de amigos e o namoradinho de infância, nenhum destaque. Claramente estão ali só para preencher cena.

Acho que um dos grandes problema disso tudo é que nem sempre aquela historinha engraçadinha que um jovem compartilha na internet é boa o suficiente para se transformar num livro ou filme. É preciso ter um senso da análise crítica que vá além do dinheiro por si só. After é um filme medíocre porque a história é mal escrita. E não tem roteiro bom que consiga contornar um produto originalmente fraco.

No final das contas, After é um grande compilado de cenas de adolescentes se beijando em câmera lenta e descobrindo o amor. Tão raso quanto poderia ser, fazendo qualquer pessoa sentir uma saudade imensa da franquia Crepúsculo, com seus vampiros brilhantes e dilemas existenciais. No entanto, é o que eu sempre digo: antes um filme que causa revolta do que aquele que causa indiferença.

Direção: Jenny Gage
Elenco: Josephine Langford, Hero Fiennes-Tiffin, Samuel Larsen, Dylan Arnold, Pia Mia, Selma Blair, Shane Paul McGhie

Assista ao trailer!

AVALIAÇÃO
1.8Deixe a sua também!
Votação do leitor 6 Votos

Pin It on Pinterest