Crítica: O Primeiro Homem

filme o primeiro homem

A tecnologia tem acompanhado a evolução do cinema desde o princípio. Da invenção do vitafone – a qual proporcionou o cinema falado – até as interações sensoriais a partir dos filmes 3D e 4D e das salas IMAX. A existência dessas possibilidades deu as tramas uma nova ferramenta. A trilha sonora, por exemplo, consegue se tornar uma personagem a parte que pode conduzir o espectador para qualquer que seja a direção desejada pela produção. Gêneros como ação e terror usam bastante dessa potencialização do som como peça-chave em suas narrativas.

Em seu quarto trabalho como diretor, Damien Chazelle (Whiplash, de 2014, e La La Land, de 2016) leva o público para uma jornada biográfica. O Primeiro Homem é uma adaptação do livro First Man: The Life of Neil A. Armstrong escrito por James A. Hansen que, através da essência fílmica de Chazelle, conta a jornada de Neil até o dia que ele entrou para a história como o primeiro homem a pisar na lua. A partir de uma nova perspectiva, a história sobre essa façanha da humanidade é retratada como nunca antes. Com toda a força sonora e as mais emocionantes tomadas – fatores comuns aos longas do diretor – o público se deleita com o que há de mais belo em sua existência: o universo.

Neil Armstrong (Ryan Gosling) mergulha de cabeça na corrida espacial. Participar desse projeto governamental tão importante e perigoso não será nada fácil. Todas as perdas e sacrifícios em torno de sua vida levarão Neil a uma das jornadas mais complexas de humanidade. Entre deixar a família para embarcar nessa viagem e se tornar o primeiro homem a pisar na lua, o astronauta viverá todos os retrocessos e problemas antes de alcançar o sucesso que foi a missão Apollo 11 de 1969.

O talento de Damien Chazelle é algo indiscutível. O diretor, roteirista e produtor americano de apenas 33 anos já deixou a sua marca na sétima arte. A sua singularidade ao comandar alguma produção se explicita de diversas maneiras. O fator musical como uma personagem extra de todas as suas tramas; o cuidado estético com a fotografia e as sequências em plano aberto; e as referências afetuosas ao seu tipo de cinema. Tudo isso faz com que o jovem Chazelle seja um gênio em Hollywood. Desde a sua segunda película que o mundo não tira os olhos dos seus trabalhos. E agora, com uma cinebiografia sobre Armstrong, mais louros serão dados para consagrar o brilhantismo do diretor.

filme o primeiro homem

Tendo como base o livro de Hansen, o roteirista Josh Singer (Spotlight – Segredos Revelados, de 2015) constrói uma narrativa interessante sobre a jornada do primeiro homem a pisar na lua. A partir de um olhar mais focado no emocional de Neil e em suas questões pessoais, o espectador presenciará uma emocionante aventura espacial contada de uma forma jamais vista. E para auxiliar as possibilidades desse roteiro, o trabalho do diretor de fotografia, Linus Sandgren (La La Land), é essencial. A sua sensibilidade e concepção estética acrescentam ainda mais vida à película e resultam em lindas imagens – como a visão de Armstrong na lua.

A conclusão do time que faz desse projeto algo artisticamente fenomenal é um velho conhecido e parceiro de Chazelle. O compositor Justin Hurwitz – o qual compôs todas as trilhas dos longas de Damien – emplaca mais uma obra-prima sonora. O trabalho de Hurwitz eleva todos os elementos cinematográficos para outro patamar. Não existem palavras possíveis de descrever o quão impactante é a trilha sonora nesse filme.

Uma das coisas mais interessantes sobre esse longa-metragem é a forma como ele é conduzido. Apesar da existência de um elenco relativamente extenso, a narrativa é administrada por duas personagens. Tal façanha já se mostrou como uma outra característica de Damien Chazelle. Dessa vez as protagonistas são vividas por Ryan Gosling (Drive, de 2011) e Claire Foy (The Crown, desde 2016). Ryan, que já estrelou outro longa do diretor, dá a sua melhor performance da vida. Ele entrega ao público um Neil introspectivo e cheio de cicatrizes do passado. Toda essa profundidade da personagem permite que Gosling mostre o seu verdadeiro valor como ator.

Sua parceira de cena e esposa na história, teve finalmente a sua chance de brilhar nas telonas. A brilhante atriz inglesa ganhou com Janet – nome de sua personagem – o momento de mostrar para o mundo que ela sabe fazer muito mais do que uma fantástica rainha Elizabeth II. Um dos momentos mais poderosos da trama é, inclusive, conduzido pelo confronto da personagem de Foy com a de Gosling.

A união de todos esses elementos resulta em uma produção que a Universal Pictures tem muito que se orgulhar. A narrativa é completa e não deixa margem alguma para críticas. Um trabalho verdadeiramente magnífico. Chazelle conseguiu unir todas as suas características de diretor com uma equipe perfeita, permitindo que a sua visão ganhasse vida da melhor forma. A sensibilidade sensorial que First Man (título original) utiliza como pilar da narrativa foi brilhantemente construída através da junção das mentes de Chazelle, Singer, Sandgren e Hurwitz. Esta é uma película que deixará o público com sequências tatuadas na memória. O olhar das pessoas para o espaço nunca mais será o mesmo.

Assista ao trailer!

 

0 Comentários

Deixe um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register