Memória: Paixão de Cristo, de Mel Gibson

The-Passion-Mel-Gibson-640x264

Há dez anos atrás estreava um dos filmes mais controversos da década passada, a versão do australiano Mel Gibson para o flagelo vivido por Jesus Cristo em seus últimos dias, A Paixão de Cristo. Cercado de polêmicas, A Paixão de Cristo mostrava as últimas 12 horas de Jesus da maneira mais crua e violenta possível, uma perspectiva bem distante das suavizações que costumavam ser dadas à passagem da sua crucificação na Bíblia.

A Paixão de Cristo foi o primeiro filme de Gibson após o ator e diretor vencer o Oscar com Coração Valente em 1996. Católico ortodoxo, Gibson utilizou no filme as línguas faladas na época: o aramaico, o latim e o hebraico. Além disso, escolheu como protagonista Jim Caviezel, ator que tem a mesma inclinação religiosa que a sua.

No entanto, a influência religiosa de Gibson no projeto não ficou apenas nesses detalhes. Determinadas passagens do filme foram interpretadas como uma mensagem aberta contra os judeus, culpando-os de todo o mal sofrido por Cristo em seus últimos momentos. No Brasil, segundo informações do jornal Folha de S. Paulo da época, o longa rendeu manifestos de repúdio de 12 entidades representantes da comunidade judaica, que consideraram o filme anti-semita.

Orçado em cerca de US$ 25 milhões de dólares, A Paixão de Cristo rendeu cerca de US$ 611 milhões nas bilheterias mundiais.

Os envolvidos dez anos depois

mel_gibson

Mel Gibson

Após o sucesso de A Paixão de Cristo, Mel Gibson retornou ao comando de um outro longa-metragem somente em 2006 com Apocalypto, filme igualmente violento sobre a civilização maia, que obteve um considerável sucesso, não tão grande quanto o filme antecessor do diretor. No entanto, desde aquela época o nome de Gibson esteve mais em evidência devido aos seus escândalos pessoais. No final do mesmo ano em que lançou Apocalypto, o ator e diretor foi preso por dirigir alcoolizado e desferiu ofensas a judeus durante a apreensão. Em 2009, o australiano se envolveu em outro escândalo, desta vez com sua mulher, a cantora russa Oksana Grigorieva. Chegou à imprensa uma gravação telefônica do ator a Grigorieva na qual Gibson  lhe fazia ameaças e ofensas.  Desde então, ele tenta com  relativo êxito apagar sua imagem negativa, seja com a ajuda de amigos, como  a atriz Jodie Foster (que conheceu nos sets de Maverick, de 1994), seja através de interpretações relativamente bem sucedidas, como em Um Novo Despertar, não por acaso, dirigido pela mesma Foster.

Jim+Caviezel+Escape+Plan+Premieres+NYC+FBudVyIbykJl

Jim Caviezel

Tido como uma das grandes promessas de Hollywood naquele ano, Jim Caviezel não vingou. O ator protagonizou fitas insiginificantes como Déjà Vu Os Desconhecidos. Imediatamente, migrou para a TV, cujo trabalho de maior destaque é a série Person of Interest (Pessoa de Interesse), ainda no ar.

5df0755f-1011-4b59-91cd-83f09f1705d3.

Monica Bellucci

A intérprete de Maria Madalena flertava com Hollywood na época em que fez A Paixão de Cristo. No entanto, por decisão própria, a carreira da italiana ficou mais na Europa do que nos Estados Unidos, tendo ocasionalmente aparecido em longas como Os Irmãos GrimmO Aprendiz de Feiticeiro.

 

Wanderley Teixeira418 Posts

Pesquisador, jornalista e crítico de cinema, fã do Paul Thomas Anderson e também da Nicole Kidman, leitor esporádico de HQs de super-heróis e consumidor voraz de qualquer tipo de besteira colecionável.

1 Comentário

  • Marco Antonio Reply

    01/04/2015 at 15:17

    :grin: É possível analisar esse filme somente através de seu lado cinéfilo, ou somente através do seu lado espiritual >>> mas, convenhamos >>> junte a ambos e vocês dará cinco estrelas para essa obra-prima !!!

     

Deixe um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register