Dez adaptações cinematográficas que deram certo

adaptation
Nicolas Cage em cena de “Adaptação”

 

Já pensaram se todo roteirista, que tentasse adaptar um livro para as telonas, tivesse o mesmo trabalho hercúleo que Charlie Kaufman teve no filme Adaptação? Neste filme, Kaufman (o próprio roteirista do filme, aqui como personagem interpretado por Nicholas Cage) se encontra em um péssimo momento de sua vida: depressivo e tomado por uma profunda crise de personalidade, ele precisa adaptar o livro “O Ladrão de Orquídeas” da escritora Susan Orlean (Meryl Streep, em mais um de seus papéis memoráveis). Ao longo da trama, o escritor se dá conta de que não há outra maneira de executar sua tarefa, a não ser mergulhando de cabeça na história, se inserindo de uma maneira inusitada no roteiro e se aprofundando na vida da autora e no que tange à composição da obra. Mirabolante? Existem malabarismos que só os roteiristas podem fazer, para tornar cinemático um texto essencialmente literário.

Este longa, dirigido por Spike Jonze, é o exemplo mais dinâmico e preciso sobre as dificuldades de se roteirizar uma obra literária para o cinema e, com maestria, dá uma aula metalinguística de como esse processo pode ser complexo. Advêm dessa complexidade, por exemplo, a insatisfação que muitos fãs-leitores sentem ao ver sua obra preferida adaptada para o cinema mas cheia de “buracos” na história, com personagens queridos limados da trama ou, ainda, com trechos bastante significativos do livro totalmente desconsiderados pelo roteirista.

A exemplo disso, temos “aquela famosa trilogia”, considerada uma das melhores e mais auspiciosas adaptações da literatura universal para o cinema: O Senhor dos Anéis, cujos roteiristas excluíram alguns personagens e passagens, além de omitir praticamente todo o último capítulo da obra, deixou muitos fãs “xiitas” irados com Peter Jackson e sua equipe de escritores. Mas não podemos negar a aproximação profunda com o universo de toda a Terra-Média (línguas/geografias/costumes/etc) imaginado por J. R. R. Tolkien e brilhantemente recriado pela produção do filme. Nem sempre é possível reproduzir 100% fidedignamente no cinema toda história de um livro, muito menos agradar seus leitores mais cativos.

Não desmerecendo o grande empenho de muitos “magos” do cinema (incluindo aqui Peter Jackson), aqueles que dão vida às histórias que nos encantam nas páginas da literatura, preparei uma lista com 10 sugestões de bons roteiros que foram transcritos de suas páginas originais para as telonas. Lógico que muitas pérolas ficaram de fora, então usei alguns critérios para elencar a relação que segue, como: roteiristas que não são os próprios autores das obras (aguardem um texto sobre eles!) e roteiros mais imaginativos, cuja relação com a literatura simbolize uma troca poderosa de linguagens e sensações visuais. Estes merecem, no mínimo, uma conferida e, no máximo, um lugar de honra na estante… de dvds!

fight-club

1 – Clube da Luta [EUA, 1999]
Roteiro: Jim Uhls – Autor: Chuck Palahniuk – Direção: David Fincher

Estar na cabeça de Tyler Durden, personagem principal desse longa (no mínimo) visceral, não é tarefa fácil… Logo, para Jim Uhls, que escreveu este roteiro cheio de caminhos (e descaminhos) tortuosos, deve ter sido uma loucura! Trata-se de um texto filosófico-político-ideológico-pós-moderno disfarçado de “pancadaria”. Palahniuk é um autor ímpar, marcado por uma história pessoal cheia de dissabores e toda crueza de sua obra está impressa nessa película. Imperdível!

clock1

2 – Laranja Mecânica [EUA, 1971]
Roteiro: Stanley Kubrick – Autor: Anthony Burgess – Direção: Stanley Kubrick

Clássicos são clássicos e eu não poderia deixar de citar aqui o mestre dos clássicos: Kubrick merece um texto só dele sobre vários aspectos e adaptação para o cinema é, com certeza, um deles. Visionário e perfeccionista, o diretor/roteirista seguiu à risca o livro de Anthony Burgess, que lhe fora indicado por sua esposa. Porém nenhuma cópia estadunidense desse romance foi publicado com o capítulo final original, deixando de fora do filme o desfecho como deveria ter sido. Um problema? De modo algum! Burgess aprovou o filme, que assim como a indicação anterior dessa lista, é um “soco no estômago” da sociedade, ao questionar conceitos convencionais de moralidade e normalidade. Definitivamente, um filme que parece não perder nunca seu prazo de validade.

trainspotting_22

3 – Trainspotting [UK, 1996]
Roteiro: John Hodge – Autor: Irvine Welsh; Direção: Danny Boyle

Quando eu vi Trainspotting pela primeira vez, entendi de maneira plena o sentido da palavra “despair” (desespero/desesperança). O livro/filme conta a história de um grupo de jovens amigos que, literalmente, afundam suas vidas no consumo de drogas. Na tela, sensações repugnantes que o livro descreve, sob o olhar de cada personagem-narrador (no livros os principais personagens narram a história), os quais não enxergam mais salvação para si mesmos. A obra literária é um marco para a juventude do final do século XX e a fílmica também o é, para o cinema contemporâneo.

forrest-gump-1994-02-g

4 – Forrest Gump – O Contador de Histórias [EUA, 1994]
Roteiro: Eric Roth – Autor: Winstom Groom; Direção: Robert Zemeckis

Esta é uma das versões mais imaginativas e delirantes de parte da história norte-americana. Com bom humor, muitas doses de sarcasmo e inúmeros flertes entre a ficção e a realidade, Forrest Gump é um ícone midiático da literatura e do cinema de língua inglesa. A delicadeza e a inocência da história de Forrest se misturam com as, muitas vezes intragáveis, transformações da história da humanidade. É nesse quesito que o roteiro ganha força, pois os momentos reais e fictícios tornam-se tão coesos à ponto de encantar e quase convencer o espectador de que são um só. O livro e o filme possuem algumas divergências, mas nada que iniba a emoção de ver na telona uma história tão bem contada sobre um “contador de histórias”.

tccobb01

5 – O Curioso Caso de Benjamin Button [EUA, 2008]
Roteiro: Eric Roth – Autor: F. Scott Fitzgerald; Direção: David Fincher

Mais um filme de Fincher e mais um roteiro de Eric Roth nessa lista! Não é para menos: o diretor é sempre audacioso na escolha dos seus projetos, e quase todos com roteiros fantásticos (vide A Rede Social, que quase entra para essa lista!). Nesse conto do célebre autor americano F. Scott Fitzgerald (mais conhecido pelo romance O Grande Gatsby), Benjamin Button nasce com uma aparência envelhecida como se já estivesse no fim da vida e rejuvenesce ao longo do tempo, num processo de inversão inexplicável. Por se tratar de uma livre adaptação da obra literária, o filme também possui suas diferenças do texto escrito. Entretanto, Roth parece ser mestre em compor, em seus enredos cinematográficos, personagens encantadores, cuja história permanece na nossa memória por muito tempo. Destaque aqui para um roteiro super coeso, ligando de trás pra frente as fases de uma vida nada comum.

cinema2

6 – Onde Vivem os Monstros [EUA, 2009]
Roteiro: Spike Jonze/Dave Eggers – Autor: Maurice Sendak; Direção: Spike Jonze

Sinceramente, não tenho palavras para descrever esse filme (e nem esse livro), ambos sucintos em suas mensagens, mas de uma amplitude de sentimentos e de reflexões ímpares. No livro, destinado ao público infantil (ou não!), Maurice Sendak conta a aventura de Max, que fugiu de casa por conta de uma bronca da mãe. Parece simplista demais, não é mesmo? Mas, nunca subestime um bom roteiro nas mãos de Spike Jonze (lembra do filme Adaptação, citado no começo desse texto?). Onde Vivem Os Monstros não é apenas uma excelente adaptação de um livro para as telonas… Além de conseguir potencializar toda a minuciosidade textual e ilustrativa da obra de Sendak na película, o filme mergulha num deslumbrante visual representado pelo poder da imaginação (e das emoções) de uma criança.

brokeback-mountain

7 – O Segredo de Brokeback Mountain [EUA/Canadá, 2005]
Roteiro: Larry McMurtry/ Diana Ossana – Autor: Annie Proulx; Direção: Ang Lee

Este filme ficou mais conhecido no mundo inteiro como “o filme dos cowboys gays”. Uma pena restringir uma obra fílmica dessa magnitude à um rótulo tão vulgar. O conto Brokeback Mountain está estampado na tela com todas as suas nuances: a delicadeza do tema, a estranheza dos seus personagens diante dos acontecimentos que os envolve, o desejo recôndito no não-dito, e o arrependimento contido por não ter amado o tanto quanto o coração desejou. Este é um perfeito exemplo de uma bela história de amor em estado bruto, desabrochada nas mãos de um diretor mega sensível.

hours

8 – As Horas [EUA, 2003]
Roteiro: David Hare – Autor: Michael Cunningham; Direção: Stephen Daldry

Virgínia Woolf, uma das mais importantes escritoras da literatura inglesa, nunca esteve tão viva como nesse longa… E a obra adaptada nem é dela! Pensando bem, pode até ser: porque nesse enredo, criado por Michael Cunningham e transcrito para o cinema por David Hare, a Mrs. Dalloway, personagem de um dos mais destacados trabalhos de Woolf, pulsa latente nas veias de três grandes atrizes: Nicole Kidman (que brilha no papel da própria escritora), Julianne Moore e Meryl Streep. São três histórias, vividas em três épocas distintas, que se entrecruzam para celebrar um dos livros mais delicados da literatura universal. Ponto para Cunningham que criou uma obra tão significativa, e para David Hare que teceu com cuidado e precisão toda a teia que (des)envolve tal narrativa.

romeo_and_julia_still_04

9 – Romeu + Julieta [EUA, 1996]
Roteiro: Craig Pearce/Baz Luhrmann – Autor: William Shakespeare – Direção: Baz Luhrmann

Eu sei que eu poderia ter citado outras adaptações de Shakespeare para o cinema – me julguem! Mas não posso deixar de louvar Baz Luhrmann pela ousadia de contar a mais conhecida história de amor de todos os tempos de um modo tão criativo e (pasmem!) com o texto original do escritor mais fantástico da literatura de língua inglesa. A adaptação de Craig Pearce e do prórprio Luhrmann buscou adequar a Verona dos amantes Romeu e Julieta, num período totalmente díspar do contexto da peça shakespeariana: uma cidade litorânea tórrida, castigada pelo sol, onde as famílias Montéquio e Capuleto são duas grandes corporações rivais, as quais se degladiam com duas das mais afiadas espadas (revólveres e palavras). Se até o Papa é pop, por que não Shakespeare?

irmaomulhollandcl

10 – E aí, meu irmão, cadê você? [EUA/UK/França, 2000]
Roteiro: Joel e Ethan Coen – Autor: Homero; Direção: Joel e Ethan Coen

Os irmãos Coen sempre me surpreendem com seus filmes, a exemplo de pérolas como Barton Fink, Fargo e Onde os Fracos Não Tem Vez. Mas quem, em sã consciência, poderia imaginar uma adaptação da Odisséia, de Homero, em pleno período da Depressão Americana? Joel e Ethan o fizeram. E foram além: transformaram isso em filme. Melhor ainda: numa comédia musical! Neste filme incrível, os irmãos Coen, que também assinam a direção, não desprezaram os ideais de liberdade e o desejo de regresso ao lar, pungentes no poema épico. Mas a transição é brusca e há o que se abstrair muito para enxergar as raízes dessa narrativa. A história é outra mas conserva-se aqui os mesmos temas e elementos que fizeram a original eterna. E apesar de sempre afirmarem que suas criações são bastante intuitivas, neste como em outros filmes dos Coen, encontram-se referências e simbologias marcantes dos textos que os inspiram. Esta é uma verdadeira epopeia para ler e ver, com os olhos mais abertos do que nunca!

Adaptem-se aos sofás e camas de vocês e divirtam-se! ;-)

 

0 Comentários

Deixe um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register